domingo, 16 de junho de 2013

Marize Castro

na primavera, deitada em sua cama, olhava seus pequenos 
companheiros brincando pela janela aberta

no verão, também de cama, ela ouvia os relatos:
“nosso terreno selvagem está salvo”

na sua ausência, muitas batalhas foram travadas 
e perdidas

seus soldados, cansados, eram por ela abençoados
com a benção lida em Um Jardim de Poemas Infantis

muitos anos depois, dança descalça 
e ruma para as hastes da floresta

toca a noite e o dia, e canta:
“até que morte nos separe”

oráculo do seu tempo 
não mais com fome 
não mais sedenta

iluminada

com lisos fios brancos no cabelo 
sob céus imóveis 
ela valsa

seu Madrigal é seiva em meu coração


In Habitar teu Nome, Natal (RN): Una, 2011, p. 53

Pablo Palazuelo

3 comentários:

Anônimo disse...

Pelas referências a poeta está falando sobre outra poeta, a Patti Smith. Belo poema, bela homenagem.
Eliane Dantas

Antonio Damásio Rêgo Filho disse...

Obrigado, Eliane, pela visita e pelo comentário. A Marize é uma grande poeta potiguar e ficará sabendo dessa sua inteligente leitura do poema. Volte sempre!

Antonio Damásio Rêgo Filho disse...

Eliane. Confirmado. Marize adora Patti Smith! Obrigado pela colaboração! Abr.

Mariana Ianelli

VIDA Vida, pátria dos resistentes, Quiséramos perder-te às vezes. Partir e voltar por infinitos meses Até que partíssemos somente. Ma...