domingo, 11 de agosto de 2013

Antonio Carlos Secchin

À NOITE,
A Waly Salomão

todas as palavras são pretas 
todos os gatos são tardos 
todos os sonhos são póstumos 
todos os barcos são gélidos
à noite são os passos todos trôpegos 
os músculos são sôfregos 
e as máscaras, anêmicas 
todos pálidos, os versos
todos os medos são pânicos 
todas as frutas são pêssegos 
e são pássaros todos os planos 
todos os ritmos são lúbricos 
são tônicos todos os gritos 
todos os gozos são santos

In Todos os ventos, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002, p. 48

Nenhum comentário: