sábado, 3 de agosto de 2013

Archibald MacLeish

Haverá pouca coisa a esquecer
Haverá pouca coisa a esquecer:
O voo dos corvos,
Uma rua molhada,
O modo do vento soprar,
O nascer da lua, o por do Sol,
Três palavras que o mundo sabe,
Pouca coisa a esquecer.

Será bem fácil de esquecer.
A chuva pinga
Na argila rasa
E lava lábios,
Olhos e cérebro.
A chuva pinga na argila rasa.

A chuva mansa lavará tudo:
O voo dos corvos,
O modo do vento soprar,
O nascer da lua, o pôr do Sol.
Lavará tudo, até chegar
Aos duros ossos desnudados,
E os ossos, os ossos esquecem.

Chartres
Pedras, o que me espanta
Não é que tenhais resistido
Por tanto tempo a tanto vento e a neve tanta:
Pois não tinham vos construído
Para arrostar nesta colina
O inverno e o vento desabrido?

Meu espanto é que suportais
Sem vos gastardes, nossos olhos,
Nossos olhos mortais.

Archibald MacLeish (Glencoe, 7 de maio de 1892 – Boston, 20 de abril de 1982), foi um poeta modernista e escritor norteamericano. Por três vezes recebeu o Prêmio Pulitzer.

In Bandeira, M.  Poemas Traduzidos, Rio de Janeiro: José Olímpio, 1976, pp. 89-90.

Caspar David Friedrich



Nenhum comentário: