terça-feira, 3 de setembro de 2013

Else Lasker-Schüler

O MEU POVO
Apodrece o rochedo 
De onde provenho
E ao qual entoo os meus cânticos sagrados... 
Subitamente, precipito-me do caminho 
E águas murmuram em mim 
Na distância, só, sobre pedras de lamentação, 
Em direcção ao mar.

Jorrei-me para tão longe 
Do mosto mal fermentado 
Do meu sangue.
E sempre e ainda o eco 
Dentro de mim,
Quando, voltados para Oriente,
Os ossos do rochedo apodrecido,
O meu povo,
Lançam um grito terrível para Deus.

[In Baladas Hebraicas, tradução e apresentação de João Barrento, Lisboa: Assírio & Alvim, 2002, p. 47].

Exodus - Bernard Deshler

Nenhum comentário: