sábado, 26 de outubro de 2013

Mário Faustino

O SERVO NOVO AO SOM DE CUJA LIRA
O servo novo ao som de cuja lira 
Agora dormes, Rei, aqui maldigo 
E invejo; neste burgo forte e quieto,
Em plena primavera de oliveiras,
Venho sonhar contigo e teus perigos, 
Teus combates, teu riso, teu pecado; 
Vestido, farto, amado, longe, ah, longe 
Do teu flamante outono de granadas, 
Verme seguro, salvo, tremo, ao ver-me 
Mendigo de loucura, medo e crime;
À sombra deste lírio duro, lívido,
Canto a flexível flor de fogo, amável 
Embora amarga e irmã da que sabíamos 
Lamber os muros roxos de outro inferno.

In O HOMEM E SUA HORA E OUTROS POEMAS, São Paulo: Companhia de Bolso, 2009, p. 155.



Nenhum comentário: