sábado, 2 de novembro de 2013

Mariana Ianelli

Para honrar tua vontade, festejamos.
Esse amor rente à boca nos ensina 
A crer no tempo da eternidade,
Num espaço em que a matéria é luz, enfim,
E onde o temor da morte se destrói. 
Atravessamos a época de um verão que faz sofrer, 
Uma serpente se levanta entre os cascalhos 
E se põe contra quem vem pelo caminho.
Mas somos muitos, somos teus, e aguardamos.
Se coragem há que torne as horas mais tranquilas, 
Nós não sabemos,
Apenas contamos com o retorno de teus olhos 
E ao poder da natureza suplicamos 
Que recuperes a mesma identidade 
Pela qual te reconhecíamos diariamente 
Como o soberano autor de tua vida 
E não este ser convulso que de nós se afasta 
Para vagar numa esfera invernal 
De mudez, alienação e indiferença.
Estamos em ti sempre que te ausentas.

[Passagens, São Paulo: Iluminuras, 2003, p. 81]

Mark Rothko

Nenhum comentário: