domingo, 23 de fevereiro de 2014

Maria Teresa Horta

OS SILÊNCIOS
Não entendo os silêncios
que tu fazes
nem aquilo que espreitas
só comigo

Se escondes a imagem
e a palavra
e adivinhas aquilo que não
digo

Se te calas
eu oiço e eu invento
Se tu foges
eu sei, não te persigo

Estendo-te as mãos
dou-te a minha alma
e continuo a querer
ficar contigo

TU
Falta-te o sono
até de madrugada
Foge-te a paz aí interrompida

Fazes vigília
nas emoções rasgadas
atento à pátria onde pões vigias

Furtas o mel
do teu fim de tarde
acendes o fogo à cabeceira

Feres a chama
se ela ainda arde
Apagas o coração
de quem de ti se abeira

[In Palavras Secretas, São Paulo, Escrituras, 2007, pp. 118-119)

By Remedios Varo


Nenhum comentário: