sexta-feira, 4 de abril de 2014

Else Lasker-Schüler

MINHA CANÇÃO, MEU SILÊNCIO
Meu coração é um tempo triste,
Num tique-taque emudecido.

Minha mãe tinha asas douradas,
Que não encontravam mundo.

Ouçam, ela se pôs a minha procura,
Com seus dedos de luz e pés de sonho errante.

E o tempo bom que brisa azul
Sempre aquece meu sono

Nas noites,
Cujos dias usam a coroa de minha mãe.

Bebo da lua o vinho tranquilo,
Quando a noite cai só.

Minhas canções tinham do verão os azuis
E voltavam sombrias para casa.

De meu lábio vocês debochavam,
Mas ainda falam com ele.

Sim, tentei segurar suas mãos,
Pois meu amor é uma criança e quer brincar.

O primeiro, tomei-o de vocês,
E também o segundo, beijei-o,

Mas meus olhares se voltam para trás
Na direção de minha alma.

Tornei-me pobre
De seus favores mendicantes.

Ignorava o estar doente,
E agora estou doente de vocês,

E nada é mais furtivo que a doença,
Que da vida quebra os pés,

Rouba a luz ao caminho da cova

E difama a morte.

Meu olho
É o cume do tempo,

Seu brilho beija
As barras de Deus.

E ainda vou dizer mais,
Antes que entre nós escureça.

Se, entre todos, você for o mais jovem,
Saberá do que em mim é o mais antigo.

Os mundos todos brincarão
De agora em diante em tua alma.

E a noite vai se queixar
Ao dia.

Sou o hieróglifo
Sob toda criação.

E saí a vocês,
Em causa da saudade por causa do humano.

Arranquei de meus olhos os evos do olhar,
De meus lábios, a luz vitoriosa —

Pense num prisioneiro mais difícil,
Num mago mais malvado: eis-me aqui.

Meus braços, na querença de se erguer,
Tombam...


[Tradução de Mauricio Mendonça Cardozo, In Belas Infiéis, Revista do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da Universidade Nacional de Brasília,  v. 1, n. 1, p. 203-209, 2012]. 

Henry Fuselli


Nenhum comentário: