terça-feira, 29 de abril de 2014

Gustavo Petter

Para Joanna Skorupski.
I.
A bisavó polonesa
cultivava flores
e possuía um apiário.
Os dias consumiam-se
entre pétalas e folhas
e alvéolos.

Compreendia o ritmo vegetal,
como os xamãs
curandeiros.

O alzheimer é a chama fosca
dos olhos fixos.
O alzheimer é o não indagar
o azul sem nuvens.
É esquecer os usos
silenciosos da adaga.

Foda-se a desmemória.
Reinventemos para mim
um nome:
sou o estrangeiro que ama
flores incomuns.
As inscreve na própria pele
para que não sejam breves
como os relâmpagos.

II.
Na página é branco
o silêncio.
Orno a monocromia
com estilhaços antigos,
colhidos na autópsia
da criança.

Havia o fogão a lenha,
o termômetro de mercúrio
em forma de galo.
Vasos, muitos vasos
na casa que chamávamos
chalé.
Na parede um brasão polonês,
águia
sobre um fundo rubro.

A Virgem negra
de Czestochowa
abençoa
os herdeiros do holocausto.

Lembro dos livros
manuais de botânica.
O quadro
com borboletas mumificadas.
E no bojo de um vidro
o alvíssimo
cisne de açúcar
capturado
nas bodas
já esquecidas.

[Gustavo Petter, nasceu em 1984. Mora em Araçatuba, SP. Mantém o blog "Agradável Degradado", onde publica seus poemas e traduções. Para G. Petter, "O poema não admite policiamentos morais, estéticos. A liberdade possível é a linguagem". E completa: "Não há palavra impalatável para o poema".]


 Grant Wood

3 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

Maravilha. Um blog que ama a palavra. E que nos deixa sem ela para dizer o quanto é bom.



Bem haja.


♥♥♥

Damásio disse...

Obrigado, Bela. Sem palavras a vida não tem graça. Bj

isabel mendes ferreira disse...

Pois não meu mt querido amigo.

Madalena de Castro Campos

IMPÉRIO Onde ele dizia descoberta, ela ouvia jugo. Onde ele dizia civilização, ela ouvia barbárie. Pilhagem, extorsão, estupro, escrava...