segunda-feira, 28 de abril de 2014

Porfírio Al Brandão

AGULHA
raramente a flecha mineral dum estímulo
viaja no poro sem aleijá-lo – há um branco vazio
inerte na escolha do icebergue quase invisível
mas que pesa inelutavelmente sobre os ombros
quando se hipoteca a força memorial das imagens

qualquer tentativa de reconhecimento é perigosa
pelo emaranhamento de nervuras que encalacra o
bolbo raquidiano, qualquer devaneio libertino
por cansaço jogado às grades vítreas poderá fundir
o poro, isto é, inutilizá-lo irremediavelmente

a flecha mineral é uma agulha sintonizadora
abrindo expressão a mucosas e órgãos, o visco
de notícia estrangeira no colchão da identidade
– as feridas e o paradoxo, fricção ousada no poro

©Todos os Direitos Reservados


Nenhum comentário: