terça-feira, 28 de outubro de 2014

Luiza Neto Jorge

BALADA APÓCRIFA
Olhai os lírios do campo
meninas de saia rodada
íris de teias de aranha
desvendam o mar nas searas

Olhai os lírios de pedra
em copos de limonada

Os soldados em manobras
enterram a sombra caiada
Bebei os lírios de água
(com grandes bicos de aves)

Sofreram sempre derrota
deixaram mãos enforcadas
sem lençóis com clarins
grades de pernas doadas

Olhai os lírios do tempo
meninas virgens por dentro

Os soldados em manobras
têm noite por espingarda
Colhei os lírios do corpo
meninas de saia travada

[In Luiza Neto Jorge - poesia (1960-19879), 2a. edição, Lisboa, Assírio & Alvim, 2001, p. 46]


Nenhum comentário: