sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Andréia Carvalho

QUARENTENA PARA MURILO MENDES
minha cura é tua intoxicação
as convulsões do fogo
teu florilégio

superelâmpago âmago

artífice da bomba anticorpo
desbravador do covil
coagulado

antena entre anteras
teu verbo
transistor
instaura a
vanguarda do espírito
sobre a carne flácida
dos temporais

militante poliformo é
meu mestre na arte de
gerar
eletricidade sob
a massa atmosférica
do papel
leopardo

quarenta dias de reclusão em ti
e me renasço de cinzas
xantófilas
magnéticas

ama-de-tua-láctea
etérea
estática

AFORISMOS DE PAPÉIS PARDOS
para cruzar em um microssegundo
a idade média até a do ouro
é preciso a marcha
ondulada, o couro transparente,
os olhos de todos os bichos
no ventre felígneo

o fósforo branco dos ossos
em avalanche
somática

a ira de uma pena supersônica
no alfabeto do radar

fulgurito de boitatá
no invólucro do papel leopardo:
virá, virá

ps: decorar todas as cartografias,
antes de deitar, para se perder nos sonhos

Fonte: Revista Cult

Lesser Ury

Nenhum comentário: