segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Konstantínos Kaváfis

O SOL DA TARDE

Este quarto, como o conheço bem.
Agora alugam-se quer este quer o do lado
para escritórios comerciais. A casa toda tornou-se
escritórios de intermediários, e de comerciantes, e Sociedades.

Ah este quarto, não é nada estranho.

Perto da porta por aqui estava o sofá,
e diante dele um tapete turco;
ao pé a prateleira com duas jarras amarelas.
À direita; não, em frente, um armário com espelho.
Ao meio a sua mesa de escrever;
e três grandes cadeiras de vime.
Ao lado da janela estava a cama
onde nos amámos tantas vezes.

Estarão ainda os coitados nalgum lugar.

Ao lado da janela estava a cama;
o sol da tarde chegava-lhe até metade.

...De tarde quatro horas, tínhamo-nos separado
por uma semana só . . . Ai de mim,
aquela semana tornou-se para sempre.

(Tradução de Joaquim Manuel Magalhães e Nikos Pratsinis)

DOIS JOVENS, DE 23 A 24 ANOS

Desde as dez e meia estava no café,
e esperava que aparecesse logo.
Foi-se meia-noite – e ainda o esperava.
Foi-se uma hora e meia; esvaziara-se
o café quase por inteiro.
Cansou-se de ler jornais
mecanicamente. Dos seus escassos, três xelins
restava apenas um: tanto tempo esperou
que gastou os outros em cafés e conhaque.
Fumou todos os seus cigarros.
Esgotava-o a espera demasiada. Pois
assim sozinho como já estava por horas, começavam
a ocupá-lo pensamentos importunos
da sua vida desviada.

Mas quando viu o seu amigo entrar – de pronto
o cansaço, o tédio, os pensamentos fugiram.

Seu amigo trazia uma notícia inesperada.
Ganhara no jogo de cartas sessenta libras.

Seus belos rostos, sua juventude maravilhosa,
o amor sensual que tinham entre si,
refrescaram-se, avivaram-se, acentuaram-se
com as sessenta libras do jogo de cartas.

E cheios de alegria e força, sentimento e beleza
foram – não para as casas de suas famílias honradas
(onde, aliás, nem os queriam mais):
a uma conhecida, e mui particular,
casa de perdição foram e pediram
quarto de dormir, e bebidas caras, e novamente beberam.

E quando acabaram as bebidas caras,
e quando aproximavam-se as quatro horas,
ao amor entregaram-se felizes.

(Tradução: R. M. Sulis, M. P. V. Jolkesky, A. T. Nicolacópulos)

Nenhum comentário: