terça-feira, 19 de maio de 2015

Alberto Bresciani

AINDA SOBRE FALAR BRETÃO
(SEM TRADUÇÃO)
Não dizer palavra

aos pais irmãos amigos
mulher marido amante
aos filhos vizinhos
à florista ao taxista

ao desejo que enlouquece
à mão que alisa corta aperta
à sede e à fome de sangue corpo
vingança e ar

às enfermeiras de Paol Keineg

Ou dizê-las todas

às paredes

BAQUE
Jonas entrou na baleia e sentiu
naquelas entranhas o melhor destino

não pôde evitar seus pelos
e uma convulsão explodiu nas vísceras

arremessado contra as rochas Jonas
ainda guarda memórias azuis e antigas

os olhos de vidro têm um estranho
estático brilho

FLAYED FIGURE
Repito
o ritual do esfolamento

(ao lado
todas essas coisas
de cor e som)

Você trouxe os pássaros
o cão cego
ofereceu poemas
em outras línguas

Ainda arranco a pele
mas agora
veja
só em segredo

RADICAL
A despeito do medo de altura
e de escadas verticais
subir ao topo do prédio
olhando para o alto —
um convite a prometidos sinais

Fácil escalar esquecendo
as histórias do solo
o mergulho possível
— pássaro mal empenado que arrisca
aprende a voar e deixa
o gemido das pedras
antes que o mate a fome —

No cimo desse edifício
enfim quase se toca o céu e além disso
(do céu) pouco há
A leste oeste norte ou sul
tudo avança ao igual e ilusório
E ainda o vento varre até os restos
abandonados e lembra
que a boca mais desejada sopra abismos
cola calcário à língua

Talvez voltar mas voltar é pior
a vertigem apaga pegadas
Lá em cima
sobra andar de um lado ao outro
comer pedaços de azul e esperar
a voz dos cortes fechados

Ela (a voz) tem seu preço
e no entanto ensina
a secar a umidade e o musgo e o lodo
dessa chuva chovendo por dentro

E agora que outra ave irrompe
nem eles (cume chuva ou ave) importam

A loba uiva o tempo
ver ouvir provar é tão bom
os dias são o que são
uma única vez

nem contar até três
pular

RITUAL
Neste lugar de sofrimentos vãos
(repleto de quartzos e conchas cortantes
fraturas escárnio lanças e quedas)
as cem virtudes dela ataram suas pontas
às pontas do meu corpo

Cem dedos cedo muito antes
do antes envolveram nossas mãos

E não
Não era mito ou lenda
Era o que era: história trama banal
uma avenida esquina rima
sina pura de quem sabe
atravessar muralhas cores
toda dor frio aço êxtase
Meus medos e delírios engolidos
no fundo da flor
na flor da minha cama

Quando os anjos caíram
já era tão depois tarde tão depois
que nunca soube aprender resposta
nem guerra sem sentir o ar fluindo
pela geografia dessa pele
— arma e armadura caminho
resposta sorte cura
E tão melhor muito mais do que
serei eu sempre e como for

Entre detonações e torres traídas
entre um sonho cinza e outro azul
ervas alfazemas e águias
eu convido repito víscera ainda
e ainda véu ainda digo eu quero a dança
teus renascidos e fundos ser e estar
que me tocam e me salvam do tempo
O infinito na minha boca

TRADUÇÃO
Confesso meu amor
imenso às ilhas

Claro está
não falamos
a mesma língua

Não sei se me ouvem
e percebem

mas em meio às ondas frias
um cardume de águas-vivas
lambe de azul
as pernas
o corpo

No gosto
no gozo

Eu

imerso

[In Sem Passagem para Barcelona, 1 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2015]


Nenhum comentário: