quarta-feira, 20 de maio de 2015

Marianne Moore

O QUE SÃO OS ANOS?

   O que é nossa inocência,
nossa culpa? Frágeis, somos,
   vulneráveis. E de onde vem a
coragem: a pergunta sem resposta,
a resoluta dúvida, —
muda chamando, surda ouvindo — que
no infortúnio, na morte mesmo,
      encoraja outras ainda
      e em sua derrota anima

   a alma a ser forte? Compraz-se
e com perspicácia vê
   quem a mortalidade abrace
e no confinamento contra si
mesmo se volte, assim
como o mar que no abismo intenta ser,
livre mas, incapaz de ser,
      no ato de capitular
      encontra seu perdurar.

   Quem no sentimento espera
assim age. O próprio pássaro,
   que ao cantar se engrandece, acera
o corpo aprumado. Embora cativo,
seu poderoso trino
diz: o contentamento é humilde;
quão puro é o regozijo.
      Isto é mortalidade,
      isto é eternidade.

[In Poemas, seleção João Moura Jr.,  tradução e posfácio José Antonio Arantes. São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 103]

by Vaggelis Fragiadakis

Nenhum comentário: