domingo, 13 de setembro de 2015

Yevgeny Yevtushenko

Quando o teu rosto surgiu no horizonte
sobre a minha vida destroçada,
desde o primeiro instante percebi
como era mísero tudo o que possuo.
Mas o teu rosto iluminou os rios
e os mares com sua luz própria
e me iniciou nas cores deste mundo,
a mim que em nada estava iniciado.
Quanto temo, ah quanto temo
o fim dessa aparição inesperada,
o fim das descobertas, o fim
das lágrimas e dos êxtases.
Mas não luto contra esse temor.
Compreendo que esse medo mesmo
é o amor. Por isso, eu o preservo,
embora não o saiba acariciar,
descuidado vigia de meu amor.
Dia e noite esse temor me persegue.
Sei que esses instantes são efêmeros
e que, para mim, desaparecerão as cores
assim que o teu rosto se puser no horizonte.


[In Poesia Soviética, seleção, tradução e notas de Lauro Machado Coelho, São Paulo, Algol, 2007, p. 352]


Nenhum comentário: