sábado, 31 de agosto de 2019

Leonardo Almeida Filho

COPACABANA

Ninguém há de viver seu sonho ou seu pesadelo
ninguém vai dormir por você
nem há se sonhar sua dor, viver seu desespero
ninguém vai gozar por você
Viver não tem drama.

Há solidão nos velhos que cruzam a rua 
quase a se arrastarem
Há solidão naquele silêncio profundo
que seus olhos trazem
A solidão: companheira fiel do seu jantar.
(Letra de um samba publicada numa antiga crônica nomeada "Tipos de Copacabana - As plantinhas tristes")

Nenhum comentário:

Alberto Bresciani

  REFUGIADOS   No silêncio das florestas, na solidão da cidade,   somos os refugiados de um tempo em cinzas.   Desejamos tanto e é pouco o q...