quarta-feira, 11 de setembro de 2019

José Agostinho Baptista

Já não sei de ti as teias do sono, as palmeiras
ao longo do coração.
Setembro leva-te à grande noite,
as tardes descem para o outono.

Das margens advém-nos a ausência:
mãos, afcctos, uma dança ao alvorecer das caravanas;
uvas, um vinho doce se fosses tu.

Não regressarás, eu sei.
Apagam-se as estrofes nas estradas de uns lábios,
apagam-se os candelabros.

Escrever é como um fio de punhais, uma dor que anoitece.

////

Deem-me uma tela onde escurecem os campos.
Trabalharei a cor,
lilás e púrpura que inunda as margens,
o coração que bate como um tumulto de pincéis.

Desfraldam-se as janelas onde se faz tarde.
Repousam as coisas:
giestas, a lira, uma rosa amarela.

Movem-se os remos.
Oiço-os que chamam, os marinheiros do tempo.
Eu lhes darei um porto com a nostalgia dos violinos;
tabernas onde se apagam os girassóis.

Enlouqueço com a voz dos búzios, essa nota marítima
que persigo,
equinócios,
guitarras do trópico ao fundo da noite.

Acende-se o farol nos promontórios.
É como uma rapidíssima estrela girando, um relance de
sóis,
altos poentes —
afiadas escarpas, em baixo.
se apagam os girassóis.

Busco esse destino de sons despenhados, ossos que
se entrechocam, desnudando-se;
uma vertigem de setas trespassa o peito,
as suas corolas frias.

Galopam os cavalos em demanda do sul,
as crinas recortadas pelo fim do dia, um brilho negro.
Ventos do norte crescem na direcção da planície e dos
livros,
enfurecendo as páginas —

timoneiro que fui, aí me escrevo, despeço-me, quebro os
espelhos no interior de uma beleza agreste,
regresso ao sono da terra —

Tudo dorme.

(Em Autoretrato, Assírio e Alvim, 1986)

Sobre José Agostinho Baptista




Nenhum comentário:

Nuno F. Silva

QUARTO MINGUANTE A madrugada, essa lembrança brutal de que sou apenas um nome Invertebrado que transita daqui para ali. E estorv...