sábado, 7 de setembro de 2019

Vasco Gato

sei que nunca viste o oceano,
que nunca olhaste a onda sobre a onda,
que nunca fizeste castelos para o mar ser forte.

mas sei que já viste o coração das coisas,
que já tocaste a ferida nos nossos braços,
que já escreveste para sempre o nome da terra.

por isso te digo que vou levar-te o mar
na concha das minhas mãos, azulíssimo,
para que nele descubras o meu nome
entre os seixos os búzios os rostos que já tive.

Nenhum comentário:

Nuno F. Silva

QUARTO MINGUANTE A madrugada, essa lembrança brutal de que sou apenas um nome Invertebrado que transita daqui para ali. E estorv...